'
“Sabemos tão pouco do que estamos a fazer neste mundo, que eu me pergunto a mim mesmo se a própria dúvida não está em dúvida.”
Lord Byron (via prosperar)
“E hoje quando olho para trás, cenas da minha vida passam diante dos meus olhos como cenas de um filme. Eu olho para meu passado como uma espectadora. Vejo cenas de um espetáculo solitário, com personagens que ora e outra se vão, sem se importar com as feridas que deixam cravadas no pobre coração desta protagonista, da qual vejo minha face.
Ao assistir minha vida posso ver cada detalhe, ver cada erro e acerto, posso ver cada instante único que fizeram de mim a pessoa que sou hoje. Vejo as projeções que fiz, as dependências que criei, as compulsões que tive e os caminhos que trilhei, e que hoje são um presente de maturidade e aprendizado. Vejo uma inconstante busca pelo nada e pelo tudo, o medo de ser feliz e ao mesmo tempo infeliz. Posso ver cada erro, cada tropeço e os caminhos onde me encontrei e os que eu me perdi. Como espectadora posso ver onde eu talvez tenha errado. Como pude chorar tanto? Como pude permitir que pessoas me usassem de tal forma? Como eu pude confiar tão pouco em mim e confiar tanto nas pessoas que me feriram? Fui tola ao acreditar que na vida real não existissem vilões. Fui idiota quando confiei cegamente em quem eu mal conhecia. Como pude confiar em alguém quando eu não confiava na pessoa que refletia em meu espelho? Fui tola, ingênua, cega… não confiei em mim mesma e na minha capacidade.
Mas o bom de olhar para trás e poder ver cada cena da minha vida é que eu finalmente consigo ver o quanto eu aprendi, e o quanto isso me trouxe maturidade. Posso ver o quanto eu cresci e aprendi com meus erros. Hoje sou grata por tudo que doeu, por tudo que sangrou, pelo sono perdido e por cada lágrima que derramei. Perdi meus medos, minha insegurança e deixei de ser aquela protagonista boba, fiz dos meus erros um aprendizado. Hoje finalmente sou diretora de uma nova história. História com um final feliz? talvez! Vou deixar que a vida me escreva cada cena. Gosto desse mistério que a vida tem reservado para mim.”
Jayne Roberta (prosperar)
“Às vezes não é carência, é só a vontade de ter ao lado alguém que se importe…”
Jayne Roberta (prosperar)

prosperar:

"Não sei por que você se foi… Quantas saudades eu senti, e de tristezas vou viver. E aquele adeus não pude dar. Você marcou a minha vida. Viveu, morreu na minha história. Chego a ter medo do futuro, e da solidão que em minha porta bate. E eu gostava tanto de você…"
VOU TE AMAR POR TODA MINHA VIDA MINHA FLOR, MINHA RAINHA, MINHA LINDA, MINHA VIDA, MEU TUDO. OBRIGADA POR TER EXISTIDO E POR TER SIDO UMA MÃE MARAVILHOSA :’(

“Quem sou? Não há um adjetivo claro que possa me definir, pois sou completa mistura. Sou musica, sou silêncio, sou riso, sou choro, sou o simples, sou o complexo, sou paixão, sou drama, sou doçura, sou emoção, sou ternura, sou a confusão, sou calmaria, sou tudo, sou nada. Mas uma coisa é certa, sou um pouco de cada pessoa que passou pela minha vida. Sou intensa demais pra ser entendida por qualquer um, ou talvez por mim mesma.”
Jayne Roberta (prosperar)
“Tenho que pensar menos nas coisas. Chega uma hora que a única rota que o pensamento segue, é aquilo que você fica evitando pensar.”
Pc Siqueira.
“Tenho que pensar menos nas coisas. Chega uma hora que a única rota que o pensamento segue, é aquilo que você fica evitando pensar.”
Pc Siqueira (via prosperar)
“Um dia me disseram que nas florestas, com o bater de um vento forte, algumas árvores entrelaçavam seus galhos uma nas outras, talvez por acaso, um mero acidente, ou não, talvez esse seja apenas o destino. Elas acabam se enganchando de uma forma tão intensa que ficam ali unidas eternamente, crescendo juntas. Como seria bom se isso também acontecesse com nós humanos. Imagina só, você tá bem lá, curtindo aquela brisa suave, de repente a vida te trás alguém pra você se enrrolar definitivamente, ficando ali, grudados, crescendo juntos pra sempre. Sem duvidas, sem traições, ficando ali grudadinhos como se fossem apenas um.”
Jayne Roberta (prosperar)
“E hoje quando olho para trás, cenas da minha vida passam diante dos meus olhos como cenas de um filme. Eu olho para meu passado como uma espectadora. Vejo cenas de um espetáculo solitário, com personagens que ora e outra se vão, sem se importar com as feridas que deixam cravadas no pobre coração desta protagonista, da qual vejo minha face.
Ao assistir minha vida posso ver cada detalhe, ver cada erro e acerto, posso ver cada instante único que fizeram de mim a pessoa que sou hoje. Vejo as projeções que fiz, as dependências que criei, as compulsões que tive e os caminhos que trilhei, e que hoje são um presente de maturidade e aprendizado. Vejo uma inconstante busca pelo nada e pelo tudo, o medo de ser feliz e ao mesmo tempo infeliz. Posso ver cada erro, cada tropeço e os caminhos onde me encontrei e os que eu me perdi. Como espectadora posso ver onde eu talvez tenha errado. Como pude chorar tanto? Como pude permitir que pessoas me usassem de tal forma? Como eu pude confiar tão pouco em mim e confiar tanto nas pessoas que me feriram? Fui tola ao acreditar que na vida real não existissem vilões. Fui idiota quando confiei cegamente em quem eu mal conhecia. Como pude confiar em alguém quando eu não confiava na pessoa que refletia em meu espelho? Fui tola, ingênua, cega… não confiei em mim mesma e na minha capacidade.
Mas o bom de olhar para trás e poder ver cada cena da minha vida é que eu finalmente consigo ver o quanto eu aprendi, e o quanto isso me trouxe maturidade. Posso ver o quanto eu cresci e aprendi com meus erros. Hoje sou grata por tudo que doeu, por tudo que sangrou, pelo sono perdido e por cada lágrima que derramei. Perdi meus medos, minha insegurança e deixei de ser aquela protagonista boba, fiz dos meus erros um aprendizado. Hoje finalmente sou diretora de uma nova história. História com um final feliz? talvez! Vou deixar que a vida me escreva cada cena. Gosto desse mistério que a vida tem reservado para mim.”
Jayne Roberta (prosperar)